Manifesto em defesa do mundo rural e contra “uma ditadura” de “correntes extremistas”

A Associação Nacional de Proprietários Rurais, Gestão Cinegética e Biodiversidade (ANPC) apresenta nesta quinta-feira o Manifesto Pelo Mundo Rural, um documento que diz ser “um grito de apelo de todos aqueles que se preocupam com esta parte fundamental e indissociável de Portugal”, mas também “um alerta e uma tomada de consciência sobre os riscos dos populismos e das decisões nestes fundadas”. Conta já com o apoio de candidatos a eurodeputados do PS, PSD, CDS e
Aliança.

A ANPC diz falar em defesa dos cerca dos cerca de quatro milhões de portugueses que residem em territórios rurais, “comunidades que têm em geral um grande orgulho no seu modo de vida”, no qual “se incluem actividades que por vezes colidem com a sensibilidade de outros concidadãos, como a caça, a pesca, a tauromaquia, a simples utilização de cavalos, até à produção pecuária, seja com fins comerciais ou simplesmente para autoconsumo”.

“Esta identidade e este orgulho são direitos que devem ser respeitados, razão pela qual este Manifesto constituí também um apelo ao respeito e à tolerância pelos modos de vida das comunidades rurais, pela sua cultura identitária, aspectos que contribuem para a diversidade e riqueza cultural, para a formação da identidade Nacional”, acrescenta o documento que será apresentado ao fim da tarde no Grémio Literário, em Lisboa.

O manifesto a que o PÚBLICO teve acesso apresenta-se também como “um alerta para que os decisores não se baseiem apenas em números de ‘visualizações’ e ‘likes’, indicadores que resultam muitas vezes de manipulações e distorções da
realidade, espelhando ainda e apenas uma parte da sociedade e não o seu todo”. Os subscritores referem-se, sem os nomear, ao PAN e ao BE, designadamente às suas políticas contra actividades como a caça ou a tauromaquia.

O documento diz, porém, ser um manifesto “positivo, agremiador; pró e não contra; tolerante e não proibicionista; moderado e não radical ou extremista”. “Porque não queremos um país dividido, um país de uns contra os outros; porque
acreditamos que deve imperar a tolerância, ao invés da proibição e das ditaduras de gosto; a livre escolha ao invés da imposição”, acrescenta.

A ANPC pretende ainda constituir um “alerta e um pedido de rigor e de responsabilidade para os fazedores de opinião”, porque, diz, “assiste-se, frequentemente, à disseminação pelas redes sociais e pela comunicação social de notícias com uma grande falta de rigor, desinformação que repetida várias vezes, tende a transformar opiniões facciosas e falsas notícias, deliberadamente lançadas, em verdades absolutas”.

“O animalismo e o veganismo, correntes das quais têm surgido dos maiores ataques ao mundo rural, quando deixam de ser uma questão de liberdade de opção de cada indivíduo e passam a uma ditadura, como o pretendem impor correntes extremistas, fundadas e exploradas por grupos que resultam do desfasamento, afastamento e alheamento da realidade dos espaços rurais, transformam-se em sérias ameaças para o Mundo Rural, mas igualmente para a democracia e para a coesão territorial Nacional”, salienta.

O documento diz ser “notório que o fosso entre as comunidades urbanas e rurais está a alargar-se, não apenas em Portugal, como em toda a Europa e no Mundo”. Este afastamento, acrescenta, “associado ao surgimento e crescimento de movimentos virtuais, aos populismos e aos extremismos, tem tido consequências políticas notórias que, em Portugal, apenas não produziram ainda estragos maiores, graças a um conjunto de políticos e partidos responsáveis que têm travado as cada vez mais frequentes investidas contra o mundo rural e as actividades que constituem a sua génese”.

O Manifesto pelo Mundo Rural surge numa altura que antecede eleições para o Parlamento Europeu e eleições Legislativas. Mas afirma que aquilo que representa e que pretende fazer notar, “não deve ficar agarrado ao momento conjuntural em que é lançado”. “Constituí assim um desafio para os deputados e os partidos que, nas esferas da política
nacional e europeia, têm a responsabilidade de apresentarem e votarem propostas que interferem com o Mundo Rural, que têm a responsabilidade de as discutirem de forma aberta, com as partes interessadas, procurando soluções adequadas.”

Diz, por isso, ser um instrumento “com um forte cunho político, mas sem ter uma cor política”, que “pretende ser transversal a toda a sociedade”, abarcando políticos “da esquerda à direita” e ainda “todos os políticos responsáveis e preocupados com a vitalidade e sustentabilidade do mundo rural”.

E dos políticos reclama “um olhar atento para aquilo que verdadeiramente representam certas propostas de leis e normas” e “um cuidado especial para detectar as consequências nefastas que alterações, aparentemente inócuas, tendem a ter”. Alertam também que muitas propostas de normas e alterações legislativas “têm objectivos claros de alterar, de proibir pouco a pouco, numa estratégia de pequenos avanços com objectivos claros de proibição total”.

A concluir, a ANPC diz pretender “concentrar esforços”, dar “a merecida visibilidade e reconhecimento a quem tem defendido e apoia o mundo rural” e “a quem apoia as comunidades e as actividades que lhe estão intrinsecamente ligadas”.

Durante a presentação do manifesto terá lugar um debate que, segundo a ANPC, contará com a presença e com o apoio dos seguintes candidatos às eleições europeias: Carlos Zorrinho (PS), Álvaro Amaro (PSD), Nuno Melo (CDS-PP) e Paulo Sande (Aliança).

A Associação Nacional de Proprietários Rurais Gestão Cinegética e Biodiversidade é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 1991, que congrega empresas concessionárias de Zonas de Caça Turística, associações de caçadores de zonas
concessionárias de Zonas de Caça Associativa e proprietários rurais.

Fonte: Publico

Criação de Blogues e Sites em Wordpress | MisterWP

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com